sexta-feira, 13 de julho de 2012

Allons enfants de la patrie!

(Publicado hoje, no Conexão Paris.)

As pessoas, sempre surpresas com o meu gosto pela chanson française, geralmente me pedem para citar a música mais conhecida da França, e eu sempre respondo o mesmo: a Marseillaise. É raro encontrar uma  pessoa adulta que nunca ouviu o hino nacional francês e, muitas vezes, mesmo sem saber o nome, as pessoas reconhecem imediatamente quando eu cantarolo a melodia.

Beatles

Certamente que a culpa pela popularidade desta canção não é inteiramente dos Beatles, mas o hino francês é, possivelmente, o hino mais conhecido do mundo, e a aparição dele na introdução de uma das músicas mais famosas de uma das bandas mais conhecidas da história, ajudou a disseminar a Marseillaise por aí. Li, aqui neste artigo super interessante, que o responsável por inserir a Marseillaise na introdução de All you need is love foi o famoso quinto Beatle, o produtor George Martin.

Aparentemente, a escolha foi meio ao acaso (se é que isso existe) e ele decidiu misturar a Marseillaise com uma melodia do Bach (alemão), mais "In the mood", de Glenn Miller (americano) e "Greensleeves", música folclórica inglesa supostamente composta por Henrique VIII, para criar a textura do pano de fundo de All you need is love. É claro que esta mistura de melodias de diferentes partes do planeta em uma canção que queria cantar a paz mundial não foi tão aleatória assim e, mesmo que inconscientemente, Martin estava colocando juntas as músicas que ele queria que representasse esta idéia de paz e amor.



Gainsbourg

Reza a lenda que, em 1979, Gainsbourg estava folheando a enciclopédia e caiu no artigo que falava da Marseillaise. Curioso, Serge decidiu explorar o texto e logo percebeu que, na transcrição do hino, lá pelo décimo verso, a enciclopédia sintetizou a letra imensa com um simples "aux armes et caetera".

Eu prefiro confiar mais na minha própria interpretação e acreditar que Gainsbourg, sempre muito rebelde e provavelmente um pouco cansado de seu próprio país, decidiu desafiar a ordem e tocar na coisa que ele sabia que seria a mais intocável: o hino nacional. O modo desdenhoso com que canta, o tom de deboche, e as imagens do vídeo oficial, me fazem acreditar que Gainsbourg estava tirando um bom sarro com aquela letra sangrenta e absurda - pelo menos para os dias de hoje - que é a da Marseillaise. E cantou "aux armes et caetera" como quem diz "às armas, e toda aquela bobajada".

Obviamente, uma versão reggae do hino nacional não iria agradar a gregos e troianos mas, embora Gainsbourg tenha sido chamado de todos os nomes após o lançamento da canção, os opositores não conseguiram impedir que o disco fosse um sucesso absoluto e se transformasse no primeiro Disco de Ouro da carreira do compositor.



Filmes

Outra grande aparição da Marseillaise é no clássico hollywoodiano Casablanca. A cena em que o personagem de Victor Laszlo manda tocar o hino francês para calar as vozes dos soldados alemães é emocionante e faz arrepiar cada pelo do meu corpo sempre que revejo. A força rebelde que o hino francês representa aliado às expressões tristes dos atores representando os expatriados nos transportam de maneira muito forte para o horror da Segunda Guerra.



Recentemente, o hino francês também foi incluído na cinebiografia de Édith Piaf em uma cena que ela, ainda menina, o canta na rua para conseguir dinheiro.



Django Reinhardt

E fecho este texto de comemoração à Queda da Bastilha com uma das minhas interpretações favoritas da Marseillaise, tocada no violão pelo gênio Django Reinhardt.



Bom 14 de julho a todos!

5 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...