quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Entrevista com Benjamin Biolay

Benjamin Biolay lançou ontem o seu primeiro Best of e, em razão do lançamento, a Fnac promoveu um encontro gratuito com o cantor na sua filial Ternes, em Paris. É com muita frequência que este tipo de encontro acontece na Fnac em toda a França e o truque é checar sempre na página da Fnac francesa a programação cultural.

Eu mesma já tive a sorte de ver o grande animador John Lasseter no verão passado e, devido a esta experiência, sabia que teria que chegar bem antes para conseguir um lugar no evento do Benjamin Biolay.

Saí de casa, portanto, com 3 horas e meia de antecedência e cheguei à Fnac Ternes por volta de 16h. Havia só uma mulher quando eu cheguei sentada já na primeira fileira e eu me juntei a ela, pronta para esperar até as 18h30, quando Benjamin Biolay deveria ocupar a cadeira logo na minha frente e, se eu tivesse sorte, cantar uma das suas canções.

A espera foi mais tranquila do que eu imaginava: esperar em uma livraria é muito mais divertido do que na fila de banco e, portanto, logo me aproveitei do acervo e busquei um volume das aventuras de Astérix para ler enquanto aguardava.

Aos poucos, foi chegando mais gente e a mulher que se sentou do meu lado logo virou melhor amiga da vizinha dela. Ela parecia muito animada e cheia de expectativa. Ao se sentar, se virou para mim e perguntou: Tu penses qu'il va jouer? e eu respondi que não, pela distância do piano e pela ausência de técnicos de som, ele provavelmente não tocaria nada. Achei engraçado ela me tratar por tu, uma vez que ela não me conhecia e eu certamente não tinha dado a liberdade, mas tenho a impressão de que o elo que une os fãs dispensa mesmo a formalidade do vous. Ela tinha todos os discos de Biolay nas mãos e certamente é uma das maiores fãs do compositor.
 
Por volta das 18h20, Benjamin chegou e atravessou o palco na nossa frente a caminho do camarim. A sala, já abarrotada de gente, apladiu e ele acenou e sorriu. Ficou no camarim por alguns minutos, e logo saiu, com uma camisa xadrez, para a entrevista. A moça do meu lado saltava na sua cadeira.

A entrevista não foi muito longa e eu não entendi completamente tudo o que foi dito, mas, mesmo com o meu francês precário, pude notar que Benjamin Biolay estava sendo simpático e bem humorado. O entrevistador já abriu com uma pergunta levemente polêmica, ressaltando o fato de que o lançamento de um Best of não foi exatamente uma escolha de Biolay. Ele respondeu politicamente, dizendo que não, que era mesmo idéia da EMI e que, por questões contratuais, eles poderiam lançar o disco mesmo sem o seu consentimento e, por isso, ele fez questão de se envolver no trabalho e está contente com o resultado.

Depois disso, ele mencionou uma informação muito interessante que eu não tinha a menor idéia. Como vocês já sabem, Biolay começou a carreira em 1999, colaborando com um disco de Keren Ann e o par foi logo convidado por Henri Salvador para fazer parte do seu disco Chambre avec vue, com o qual ele colaborou com mais de uma faixa, incluindo a mais famosa chamada Jardin d'hiver.  Com isso, Benjamin ficou muito próximo de Henri Salvador e, este ano, ele foi convidado a fazer parte de um projeto que visa resgatar músicas inéditas gravadas a capella por Henri Salvador, arranjá-las e lançar um disco no ano que vem. Quis saber o nome do projeto, mas, quando a entrevista foi aberta para perguntas, os espectadores estavam tão cheios de questões para Biolay (incluindo a moça sentada ao meu lado, que foi a primeira a perguntar), que não tive chance.

Depois das perguntas, Biolay, simpático e atencioso, fez dedicatórias para toda uma fila de fãs que se apertaram para chegar perto do cantor. Os seguranças estavam tensos e ficavam dando ordens para todo mundo  e pedindo que respeitássemos a ordem e não demorássemos muito conversando com ele. Quando chegou a minha vez, disse a ele que eu era brasileira e que tinha um blog de música francesa. Ele foi super simpático, quis saber o endereço do blog e de onde eu vinha no Brasil e escreveu Bejos na dedicatória.

13 comentários:

  1. Ah, que sortuda!
    Deve ter sido inesquecível...
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Que oportunidade...pena que voltei ontem de Paris (e também não teria sabido sem sua dica do site da Fnac). Benjamin Biolay é o que mais toca hoje no meu iPod, absolutamente talentoso.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Emília,

    Realmente, depois eu pensei que eu tinha que ter postado aqui no blog sobre o evento, para que os leitores que estivessem em Paris pudessem ir. Falha minha.

    Elis,

    Sorte mesmo! Nem acreditei quando eu vi que a minha visita coincidiria com o evento.

    Mi, <3!

    ResponderExcluir
  4. Penélope, não escrevi neste sentido! Ao contrário, vai ficar como dica para as próximas visitas.
    Queria pedir uma dica: tenho o Rose Kennedy e o La Superbe, que outro CD dele você recomenda? Li críticas contraditórias sobre o Négatif e o Trash Yeyé...
    Esse blog é uma maravilha :-)
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Emilia, eu gosto muito do Trash Yéyé e do Négatif, mas prefiro o Trash, eu acho. Engraçado você falar das críticas ruins, porque acho os dois discos bem legais. Mas o meu favorito é o Rose Kennedy. De longe.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada! Vai para a minha listinha de desejos :-)

    ResponderExcluir
  7. Contente de vous retrouver ici! Je suis la fille qui était assise à côté de votre ami. On a fait la queue pour la dédicace ensemble.

    ResponderExcluir
  8. Bauchette,

    Quelle bonne surprise! Je n'en revenais pas de voir votre commentaire! Comment avez-vous trouver mon blog? Bonne continuation!

    ResponderExcluir
  9. C'est grâce à twitter que je suis tombé sur ton blog (on peut se tutoyer maintenant?) et puis après en lisant le billet, je t'ai reconnu directement. C'était chouette cette attente ensemble!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...