sábado, 26 de dezembro de 2009

Joyeux Noël

Este post não está necessariamente relacionado com o trabalho que eu faço no Sob o céu de Paris, mas sim com o meu outro trabalho.

Eu queria desejar a todos um feliz Natal, mas acho mensagens natalinas um tanto quanto entediantes. Quando a gente é cadastrado em mailings e coisas do tipo, recebemos tantas que chega a encher a paciência. Esta semana, enquanto estava fazendo uns tutoriais de After Effects, notei que o design que eu estava aprendendo poderia ser adaptado. Embalada pelo espírito natalino e pela vontade de desejar boas festas de um jeito diferente, acabei fazendo um cartão de Natal animado.

A trilha sonora, claro, é francesa. Usei um trechinho da deliciosa música "New Soul", da Yael Naim (música que já toquei várias vezes no programa) e adicionei o som de carrilhões.

Espero que gostem.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Programa do dia 21/12

O programa da última segunda-feira - e também o último deste ano - já pode ser ouvido aqui no blog no player ao lado. Aproveito para lembrar aqui no blog que o programa volta no dia 11 de janeiro de 2010. A todos, um Feliz Natal e ótimo ano novo!

Uma observação: o site que disponibiliza o player que vocês vêem aqui no blog mudou, para melhor. Agora, vocês podem acessar o Sob o céu de Paris de outro lugar. Quer ver? Clica aqui.

Além disso, aproveito para disponibilizar, como sempre, cada bloco do programa separado.


A playlist do programa do dia 21 foi a seguinte:

Bloco 01

01. Claire Denamur - In the mood for l'amour
02. Coeur de Pirate - Someone to watch over me
03. Emily Loizeau - Sister

Bloco 02

04. Kent (avec Suzanne Vega) - Juste quelqu'un de bien
05. Chat - Alice
06. Mélanie Pain - Celle de mes vingt ans

Bloco 03

07. Renan Luce (avec Alexis HK et Benoît Doremus) - Grand Père (Papy Gateau)
08. Benjamin Biolay - Ton Héritage
09. Mélanie Laurent - Du bout des lèvres
10. Coeur de Pirate (avec Julien Doré) - Pour un Infidèle

Bloco 04

11. Pink Martini - Où est ma tête?
12. Rose - Yes we did
13. Lady and Bird - Stephanie Says
14. John Williams - Noël Blanc

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Melhores da música francesa (por Rafael Cury)

O ouvinte e meu novo amigo Rafael Cury enviou a sua lista de Melhores discos da música francesa da década.

Rafael atualmente vive no norte da França depois de passar muitos anos em Paris. É engenheiro metalurgista (!!) e trabalha na indústria francesa. Gosta um pouco de fofoca e tem um lado brega do qual se orgulha muito. É do tipo que gosta de criar polêmica e sente prazer em ser do contra.




Há que se dizer que não houve música popular na França durante a década. Houve TELEREALITE. E para aquele que fechou o olho para esse tipo de mídia, está perdendo o bonde da história. Olívia foi colocada na tormenta da Star Academy mas saiu com a cabeça em pé. Não é à toa que ela é a única a ter projeção mais respeito. O disco é impecável, com músicas deliciosas como a faixa título ou entao "J'traine des pieds". Conta com a participação especial de Têtes Raides e, claro, Mathias Malzieu. Um must!




O tocaio aí de cima demorou para decolar na década. Mas conseguiu fazer um álbum muito sensível; uma voz bem particular, e com hits legais como "Caravane" e mesmo, o que eu considero a canção francesa da década: "Et dans 150 ans" - que tem um texto que chega ser mais refinado que "Avec le temps" que
foi feita para um macaco.








Ok, entao os queridinhos que só gostam de musica cool de corocos velhos como Henri Salvador... Tem um som na França que vem mais lá de baixo, que nao é baile funk e que é de uma inteligência memorável. Diam's fez nesse disco 15 metralhadoras contra tudo e todos. E é admirada pela geração jovem sem acesso/sem saída e das crianças também. Ela popularizou o rap e o hip/hop na França. Destaque para as finíssimas "La boulette", "Dans ma boule" e "Jeune demoiselle".






Esse album é fantastico. E quem viu tambem sur scene, não se arrependeu. Uma mistura de Rock, punk e Tim Burton. As pessoas pensam que Dyonisos tem um "unvierso particular" mas se enganam: a música é bem mais acessível e universal do que ela deixa transparecer. Mathias Malzieu é o músico da minha geração. Alguns acham que há uma clara influência dos "White Stripes". Eu acho até mais criativo.







Fãs de Kraftwerk, saiam das tuas covas e levantem e dancem. O duo eletrônico fez meio mundo pular com "One More Time", "Aerodynamic" e "Something About Us". O interessante de "Discovery" foi que nesse álbum, textos foram incorporados as músicas, mas era como se não fosse. A dupla continua cultivando um certo mistério apesar de que os filmes e clips com estética setentista japonesa já fazem tambem parte de qualquer festa que se preze. E olha, quem acha que a França não faz musica eletrônica, tá meio por fora!






Do lado completamente oposto do "Daft Punk" (e o seu título "Human after all"), confesso que comecei a gostar desse cara depois de "Louxor J'adore", hit maximo do álbum. Mas a coisa não ficou por aí. Katerine pos o som e tirou o som da França inteira e fez mais: músicas como "Etre humains", "11 septembre" , "Patati Patata" e 20.04.2005 sobre Marine Le Pen são divertidas. Continua sendo alternativo demais para alguns, louco para outros.







Ok, o primeiro impressionou com a participação de Camille, o som groovy bossa nova e new wave oitentista finíssimo. O segundo é de arrepiar: não dá MESMO para parar de escutar "Heart of Glass" mas destaco "O Pamela" , "Don't go" dentre outras. O projeto "Nouvelle Vague" não só pôs Camille no mundo mas também a fantástica extraordinária deliciosa Melanie Pain*. A conferir na década seguinte!

*NE: A editora deste blog concorda plenamente com essa frase.






Não houve uma viva alma que nao ficou impressionado com a nota Si que é o fio condutor do álbum. Poderia ter ficado chato, monocromático, mas longe disso. Outro que não pode faltar na coleção de quem gosta de boa música.










Eu vou chover um pouco no molhado e colocar na lista algo que eu critiquei em listas alheias: escolhas um tanto quanto óbvias. Não, não se trata de um canto de cisne apesar de ser o último com Fred Chinchin. O disco inteiro é de um pop puríssimo, fantástico. Escutei "Ding ding dong" até furar! "Terminal beauty" é uma pérola também!









Certo, o fato de viver longe de Paris me mostrou que na verdade, Paris está longe de ser representativo da França. A dita "França profunda" é bem menos profunda do que parece. O deboche pode ser inteligente, engraçado, divertido e até (porque não?) universitário. Músicos excelentes que são capazes de tocar (literalmente) todo o tipo de música animam desde o Baile da Tia Jeanette até o Stade de France. Os shows são também muito legais: o público vai fantasiado. É o que a França consegue chegar mais próxima de um carnaval sur scene.



quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Melhores da música francesa: Parte 02

A playlist da semana vai com o printscreen da tela porque estou super sem tempo. Não percam o programa da semana que vem, com as melhores músicas francesas de 2009.



Para este post ficar mais interessante, vai aí embaixo o videoclipe da música "Les roses et les promesses", do Benjamin Biolay, que tocou no programa da semana passada.


sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Melhores da década (por Lia Amâncio)

Convidei a minha amiga Lia Amâncio para fazer uma lista de melhores discos da música francesa da década. Lia, além de conhecedora de música boa, dançarina, produtora de arte, geek e DO LAR, atua com firmeza e dedicação contra o preconceito ao canhotismo e é membro fundadora (junto com a dona deste blog) da Sociedade Amigos dos Canhotos.

Ela se desculpou dizendo (muito modestamente!) que seu conhecimento de música francesa é ainda precário e que só seria capaz de fazer uma listinha com 7 discos. Eu aceitei e a lista é esta que segue abaixo.


1.
Yelle :: Pop-up (2008)


Ela tem esse lance meio bisca, quase funk carioca. Esse disco é diversão pura, duvido alguém ouvir 'à cause des garçons' e não cantarolar por dias a fio.










Massilia Sound System é música política, é rap, é rock, é reggae e, como o melhor da música jovem francesa, tem uma coisa meio arab. E, se você ouvir 'Jovent' com atenção, reconhecerá um certo grupo pernambucano que fez um som tão diferente pra época que acabou mostrando para o país inteiro que Recife também tinha rock. De quebra, mostrou pra França também.







A gente está na era do single, né? Tenho ouvido poucos discos inteiros ultimamente, mas músicas isoladas. E esse disco tem 'All I wanna do', música gostosíssima, que gruda e faz dançar ao mesmo tempo. Climão de verão.










'Mal ô mains' me pegou pelo coração e pelos pés - conheci esse disco quando estava aprendendo a dançar lindy hop com um professor francês que insistia em ensinar aéreos... treinávamos balboa, bal-swing e outras variações da dança por horas até tarde. Não tinha como não me envolver com 'Le tango des gens', que ainda por cima tem aquela levada swing à la Django Reinhardt que eu amo.







Eu acredito no cinismo, no bom humor e na capacidade humana de compor músicas como 'Dis-lui oui'. Também acredito que Bénabar é um gato*.



* Nota da editora deste blog: concordo plenamente!










JP Nataf está para Les Innocents como Nando Reis está para Titãs. Seu trabalho solo, até mesmo pelos anos que se passaram depois que a banda acabou, é mais adulto (embora 'Un homme extraordinaire', sucesso do Les Innocents, até hoje faça gente chorar). JP esteve no Brasil há cerca de 2 anos e bateu um bolão no Forte de Copacabana: autografou meu disco e encheu meu ego indie me gaantindo que eu devia ser a única brasileira fã da banda e de seu trabalho solo. Conheçam, donc.






Claro que precisa estar entre os melhores da década! Influenciou todos os compositores de trilha para publicidade, deu forma à trilha sonora instrumental de Montmartre. Precisa falar mais alguma coisa?









quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Melhores da década (por Bernardo Esteves)

Por Bernardo Esteves

Bernardo é um amigo que conheci graças ao divertidíssimo (e já falecido) Música Potencial. Depois de nos conhecermos pessoalmente, descobri que ele viveu uma boa parte da vida na França e adora música francesa. Convidei-o, portanto, a elaborar uma lista com os melhores discos da música francesa da década de '00.

Eu gostaria de lembrar que este blog ficará felicíssimo de receber mais listas e as publicará de bom grado. É só mandar a sua lista para o email penelope@soboceudeparis.com

O Bernardo me enviou a lista dele com o seguinte prólogo:

"Listas desse tipo são tão divertidas de se fazer quanto temerárias. Esta é especialmente duvidosa, porque feita a partir de um universo um tanto restrito - falta-me conhecer muita coisa boa que se fez na música francesa desta década e de outras, e a prova é que estou sempre descobrindo coisas legais no seu programa. Aprovei e retomo a sua solução de fazer uma lista cronológica, pra fugir da encrenca de ter que classificar os discos."

Henri Salvador :: Chambre avec vue (2000)

O canto do cisne (ou quase) de um gigante da música francesa. Abriu a década em grande estilo.











Voz única, letras irônicas, grande revelação. Fico com o primeiro disco, o mais original. Saudade dos Voleurs de Poules!











A voz da minha geração: identificação total. É o melhor da década - Por "Fanny Ardant", "Tes parents", "Bukowski" e tantas outras.








E o repente chega ao Midi! Encontro muito original da música francesa e brasileira. Os Troubadours são do bem!










Álbum desigual. Entra pela dupla "Je fume pu d'shit" / "J'refume du shit", a coisa mais alucinante da década. Crônica da recaída.










Uma voz de menina nessa geração de cronistas melancólicos. Clima cool, belas melodias e sílabas sobrando.









Swing e melodia, soul e rap. Descoberta surpreendente do ano. O disco de estreia é poderoso, mas este é mais longo!










"Las Vegas" é a faixa da década (que Fanny não me ouça), mas esse disco tem mais conjunto. C'est grave comme c'est bien!










Delerm é o cara da década e merece um segundo disco na lista. Pra fantasiar com as volleyeuses de shortinho apertado.










Depois de discos mais apagados, Fersen voltou à grande forma dos anos 1990 com esse disco. Apesar do ukulelê!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

30 de novembro

Pronto, já fiz o upload com o programa de ontem. Ele, em breve deve começar a funcionar neste player aqui do blog (demora um tempinho para o player atualizar depois que eu coloco as músicas lá no servidor). Para quem não está se aguentando de vontade de ouvir o programa dessa semana, pode clicar nos links abaixo e ouvir as melhores músicas francesas da década de '00.

Bloco 01

Lembrando que tem também um post que eu publiquei anteontem com os melhores discos da música francesa da década. Se você ainda não viu, passa lá depois.

Achou que tem coisa faltando na minha lista? Quer mandar a sua lista também? Pode mandar! Eu publico aqui no blog, é só enviar para o email: penelope@soboceudeparis.com.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...